terça-feira, 31 de julho de 2012

Barroco Mineiro

Chama-se Barroco mineiro a versão peculiar que o estilo Barroco(Barroco é o nome dado ao estilo artístico que floresceu entre o final do século XVI e meados do século XVIII).O termo usualmente se refere à arquitetura desse período, mas teve expressões importantes também na escultura e na pintura. O enriquecimento provocado pela mineração e a forte religiosidade dos povos das minas, favoreceram o desenvolvimento das artes em Minas Gerais. O barroco desenvolveu-se no Brasil ao lado dos primeiros núcleos urbanos. As principais manifestações dessa arte foram as construções religiosas levantadas em Salvador e Recife. Mas, o auge do barroco, manifestou-se nas cidades mineiras do Ciclo do Ouro, como Ouro Preto e Mariana. A riqueza resultante da exploração do ouro na região de Minas Gerais estimulou, em Ouro Preto, o surgimento do maior conjunto de arquitetura barroca do mundo e justificou o tombamento da cidade como patrimônio nacional, em 1933, e em patrimônio mundial, em 1980. Apesar da influência inicial do Barroco europeu, a arte barroca no Brasil assumiu características próprias. A arte barroca evoca a religião em cada detalhe: altares, geralmente em madeira, expõe ricos ornamentos espirais ou florais e é todo entalhado com figuras de anjos e imagens revestidas de uma fina película de ouro. Santos em relevo se espalham pelas capelas da nave central, e o teto, representando geralmente um céu em perspectiva, que aumenta a sensação de profundidade no ambiente.
http://www.historiamais.com/barrocoII.htm-Acessado dia 31/07

Olimpíada de Londres

O Brasil ganhou até hoje dia 31/07, 3 medalhas sendo uma de ouro,uma de prata e uma de bronze.Sendo assim está na 14ª posição no ranking de medalhas.
Apesar de não estar muito bem posicionado o Brasil apresenta um avanço agora tem mais chances de medalhas.Tendo chances de ganhar medalhas no vôlei masculino,no futebol masculino e feminino e na natação.
Veja o quadro de medalhas olímpicas-http://rederecord.r7.com/londres-2012/quadro-de-medalhas/
Todas as modalidades de esporte disputados na olimpíada-http://esportes.terra.com.br/jogos-olimpicos/londres-2012/esportes.html

Postagem de Artes


Vik Muniz reproduz com lixo paisagem da Baía de Guanabara

Artista estimula as pessoas a doarem materiais recicláveis como uma forma de intervenção na instalação

Vik Muniz reproduz a Baía de Guanabara com lixo
Vik Muniz reproduz a Baía de Guanabara com lixo (Christophe Simon/AFP)
A Baía de Guanabara, reproduzida com milhares de dejetos, é a mais recente instalação do famoso artista plástico brasileiro Vik Muniz, em construção perto do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ), durante a conferência Rio+20. É preciso subir em uma passarela a 10 metros do chão para apreciar a baía reconstruída com materiais recicláveis, como garrafas e sacolas plásticas, latas de cerveja e refrigerantes, embalagens de leite e envoltórios diversos.
A instalação de 30 x 40m começou a ser construída na sexta-feira e prosseguirá até o fim da cúpula, que reunirá entre 20 e 22 de junho mais de 130 chefes de Estado e de governo do mundo inteiro. Cabe ao público da Cúpula dos Povos, evento paralelo organizado pela sociedade civil no Parque do Flamengo, onde fica o MAM, levar o lixo utilizado para montar a instalação. "As pessoas podem apenas observar a obra ou participar, colocando elas próprias o material na instalação, sob a orientação dos monitores da minha equipe", explicou neste sábado à agência France Press o artista, de 50 anos.
"É uma construção estética coletiva a partir de coisas feias. O objetivo é convidar o público à criação desta imagem", acrescentou Muniz, que mora entre o Rio e Nova York.
"Não vou mudar o mundo com isto, mas é um espaço de reflexão sobre a cidade, a oportunidade de questionar o que podemos fazer com estes materiais aos quais não damos nenhuma importância", afirmou.
Muniz é conhecido por usar alimentos e lixo reciclado em suas obras de arte. Nascido em São Paulo, o artista tem entre suas peças mais conhecidas três réplicas de Leonardo Da Vinci: duas Mona Lisa feitas com geleia e com pasta de amendoim, e A Última Ceia feita de açúcar, arames e calda de chocolate.
No documentário Lixo Extraordinário, indicado ao Oscar, Muniz revelou ao mundo os catadores de recicláveis no lixão de Gramacho, no Rio de Janeiro, o maior da América Latina, fechado este mês. O filme foi exibido em uma grande exposição dedicada ao artista em Avignon (sudeste da França). "Fiz algo parecido em Avignon: do alto de uma passarela instalada na igreja dos Celestinos, podíamos ver uma paisagem de ramos, flores secas e aromáticas, sob o modelo do semeador de Van Gogh. Cheirava muito bem, à Provence", lembrou.
(Com Agência France Press)
Fonte: disponível em: http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/vik-muniz-reproduz-com-lixo-paisagem-da-baia-de-guanabara
Data de acesso: 31/07/2012

Postagem de artes

História da arte Contemporanêa
A arte acompanha o homem e sua história em manifestações que refletem o contexto social do momento em que ele está inserido. E, partindo da premissa de que arte é cultura, o estudo de sua produção artística é uma potencial referência aos acontecimentos sociais, políticos e econômicos de cada época. A Arte Contemporânea, alusão à arte produzida depois da 2ª Guerra Mundial, é caracterizada por apresentar uma ampla disposição para a experimentação, levando os artistas a realizarem uma verdadeira fusão de linguagens, materiais e tecnologias. Os artistas contemporâneos, como em toda a história, mostram através de sua arte o pensamento de determinada época, a sociedade em que estão vivendo, as questões políticas, religiosas, econômicas e sociais que os envolvem. Distanciam-se do Modernismo e seus conceitos de negação ao que é antigo. A Arte Contemporânea recebe inúmeras denominações, entre elas “Pós-Modernismo”.

Fonte: http://www.trabalhonota10.com.br/arte-cultura/historia-da-arte-contemporanea.html

segunda-feira, 30 de julho de 2012

8 jeitos de mudar o mundo

meta número 1 : ACABAR COM A FOME E A MISÉRIA

OBJETIVOS : Existem cerca de 980 milhões de pessoas no mundo que vivem com menos de 1 dólar por dia, as quais são consideradas extremamente pobres. Essa meta visa a reduzir pela metade o número de pessoas extremamente pobres. Em 1990, o percentual de indivíduos que viviam com menos de 1 dólar por dia era de 41,7%. Em 2005, esse índice caiu para 25,2%. No entanto, ele ocorre de maneira desigual, pois a China conseguiu dados mais satisfatórios. Por outro lado, os países da África Subsaariana obtiveram redução de apenas 6,5%. Além de reduzir pela metade a proporção da população com renda inferior a um dólar PPC por dia, essa meta tem outros objetivos, como alcançar o emprego pleno e produtivo e o trabalho decente para todos, incluindo mulheres e jovens; e reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população que sofre de fome. Algumas ações sugeridas são o apoio à agricultura familiar, a programas de educação e projetos de merenda escolar. Atingir essa meta significa dar condições de vida a inúmeras pessoas que morrem todos os anos, muitas das quais são crianças, por não ter o que comer. PPC : Paridade de Poder de Compra (PPC), que determina a quantidade de bens e serviços que $ 1 PPC compra em qualquer lugar do mundo.
 RESULTADOS :
 No Brasil, já foi cumprido o objetivo de reduzir pela metade o número de pessoas vivendo em extrema pobreza até 2015: de 25,6% da população em 1990 para 4,8% em 2008. Mesmo assim, 8,9 milhões de brasileiros ainda tinham renda domiciliar inferior a US$ 1,25 por dia até 2008. Para se ter uma ideia do que isso representa em relação ao crescimento populacional do país, em 2008, o número de pessoas vivendo em extrema pobreza era quase um quinto do observado em 1990 e pouco mais do que um terço do valor de 1995. O número de pessoas em países em desenvolvimento vivendo com menos de um dólar ao dia caiu para 980 milhões em 2004, contra 1,25 bilhão em 1990. A proporção foi reduzida, mas os benefícios do crescimento econômico foram desiguais entre os países e entre regiões dentro destes países. As maiores desigualdades estão na América Latina, Caribe e África Subsaariana. Se o ritmo de progresso atual continuar, o primeiro objetivo não será cumprido: em 2015 ainda haverá 30 milhões de crianças abaixo do peso no sul da Ásia e na África.




Metas do Milênio - 8ª meta - Tudo mundo trabalhando para o desenvolvimento

Avançar no desenvolvimento de um sistema comercial e financeiro não discriminatório. Tratar globalmente o problema da dívida dos países em desenvolvimento. Formular e executar estratégias que ofereçam aos jovens um trabalho digno e produtivo. Tornar acessíveis os benefícios das novas tecnologias, em especial de informação e de comunicações.

Brasil: O Brasil foi o principal articulador da criação do G-20 nas negociações de liberalização de comércio da Rodada de Doha da Organização Mundial de Comércio.

Link: http://www.objetivosdomilenio.org.br/todosjuntos/

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Carestia alimentar arruína Metas do Milênio, alertam Bird e FMI


Os altos preços dos alimentos arruínam as chances de cumprir metas ambiciosas, como reduzir pela metade a pobreza extrema e a fome em todo o mundo até 2015, alertou um relatório publicado nesta sexta-feira pelo Banco Mundial (Bird) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
Os aumentos recentes nos preços internacionais dos alimentos paralisaram várias Metas de Desenvolvimento do Milênio, programa internacional estabelecido no ano 2000 pelas Nações Unidas, destacou o informe.
O mundo em desenvolvimento está "seriamente atrasado" com relação às metas relacionadas com a comida e a nutrição, e as taxas de mortalidade materna e infantil ainda são inaceitavelmente altas, alertou o documento, intitulado Relatório de Monitoramento Global.
Como resultado, o relatório destacou que 1,02 bilhão de pessoas provavelmente ainda estarão vivendo em pobreza extrema em 2015.
"Preços dos alimentos altos e voláteis não permitem prever o cumprimento de muitas metas do milênio, uma vez que corroem a capacidade de compra do consumidor e impedem que milhões de pessoas escapem da pobreza e da fome, além de ter impactos adversos de longo prazo sobre a saúde e a educação", afirmou Justin Lin, economista-chefe do Banco Mundial.
No ano 2000, as Nações Unidas estabeleceram um prazo de 15 anos para alcançar as metas de reduzir à metade da pobreza extrema, melhorar a saúde e a educação, bem como fomentar a capacitação das mulheres no mundo em desenvolvimento.
O relatório destacou que o mundo está muito longe do caminho que permitirá reduzir taxas de mortalidade materna e de crianças até os cinco anos de idade e que não conseguiria cumprir estas metas até 2015.
O avanço mais lento tem sido na redução da mortalidade materna, onde apenas um terço da meta foi alcançado.
A redução da mortalidade infantil e de crianças nos primeiros anos de vida teve avanços de apenas 50% no cumprimento da meta.
A boa notícia é que as metas relacionadas com a redução da pobreza extrema e o acesso à água potável foram alcançadas com muitos anos de antecedência, e os objetivos relativos à educação e à proporção de meninas e meninos frequentando as escolas estão a caminho de serem cumpridas.
Mas no que diz respeito à nutrição, o documento pediu aos países para criar medidas que os tornem mais resistentes às altas nos preços dos alimentos.
Os países deveriam usar políticas para encorajar fazendeiros a aumentar a produção e fazer uso de redes de segurança social para fortalecer as políticas nutricionais para impulsionar o desenvolvimento infantil.
Além disso, as políticas comerciais deveriam incentivar o acesso aos mercados de alimentos, reduzir a volatilidade dos preços da comida e estimular ganhos de produtividade.
No entanto, a redução do ritmo da economia global e a crise financeira na Europa têm tornado difícil para os países em desenvolvimento reagir à carestia dos alimentos.
"A frágil economia global pode muito bem reduzir o avanço dos países em desenvolvimento rumo a metas de desenvolvimento humano", disse Hugh Bredenkamp, vice-diretor do Departamento de Estratégia, Políticas e Revisão do FMI.
Embora os preços dos alimentos tenham caído em relação às altas de 2011, o custo das commodities continuou alto e volátil, "uma grande preocupação" no Oriente Médio e no norte da África, região que é a maior importadora mundial de trigo, destacou o relatório.
O documento destacou que as altas nos preços dos alimentos desde 2007 contribuíram para os levantes da Primavera Árabe.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

As Metas do Milênio da ONU

"A consecução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio requer uma parceria global apropriada a um mundo interconectado. O mundo realmente compartilha um destino comum." Jeffrey D. Sachs


O QUE É
Documento que consolidou várias metas estabelecidas nas conferências mundiais ocorridas ao longo dos anos 90, estabelecendo um conjunto de objetivos para o desenvolvimento e a erradicação da pobreza no mundo – os chamados Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) – que devem ser adotados pelos estados membros das Nações Unidas, que envidarão esforços para alcançá-los até 2015.
ORIGEM
A Organização das Nações Unidas promoveu, em setembro de 2000, a Assembléia do Milênio, a reunião de chefes de Estado e de governo de maior magnitude jamais realizada: 191 delegações estavam presentes, 147 delas lideradas por suas autoridades de mais alto escalão. O debate resultou na aprovação da Declaração do Milênio, que reconhece que o mundo já possui a tecnologia e o conhecimento para resolver a maioria dos problemas enfrentados pelos países pobres. Até então, no entanto, tais soluções não foram implementadas na escala necessária. O estabelecimento destes objetivos representa uma grande realização da comunidade internacional, visto que são mensuráveis e temporalmente delimitados.
CONTEÚDO
Oito objetivos gerais foram identificados:

1 - Erradicar a extrema pobreza e a fome.
2 - Atingir o ensino básico universal.
3 - Promover a igualdade de gênero e a autonomia das mulheres.
4 - Reduzir a mortalidade infantil.
5 - Melhorar a saúde materna.
6 - Combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças.
7 - Garantir a sustentabilidade ambiental.
8 - Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento.

A partir destes oito objetivos internacionais comuns, 18 metas e 48 indicadores foram definidos para possibilitar uma avaliação uniforme dos ODM nos níveis global, regional e nacional.
O acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio deve considerar especificidades nacionais. Assim, cada país deve valer-se de suas capacidades para monitorá-los.
Os ODM consistem na estratégia de maior alcance e importância delineada pelas Nações Unidas para a promoção do desenvolvimento humano dentre seus estados membros. Um papel ímpar na promoção da luta global contra a extrema pobreza.
Os ODM contemplam temas como erradicação da pobreza, fome e analfabetismo, igualdade de gênero e sustentabilidade ambiental, temas estes entendidos como componentes-chave do conceito de desenvolvimento humano sustentável, e que podem conduzir à melhoria das condições de vida de todos os seres humanos.

http://1.bp.blogspot.com/__ARDu3Qkd8A/TGl9ZVEE5iI/AAAAAAAAAAw/w8j_K7Fl_go/S1600-R/hfixjdrtuniuhbcf%20ljky.%C3%A7mn%20gumnbfuy6gmnbfu6y7gnklofygbn%20vfgdvbk%20nvuy6ygjnbfuy,l%20m%20mnkufk%20nuynml%20,nibuvfvbn%20mnuby6f6dfgbinomobiuerfgnm.jpg

Fonte:http://www.institutoatkwhh.org.br/compendio/?q=node/19
Acessado em:11 de julho de 2012

terça-feira, 10 de julho de 2012


Brasil avança nas metas do milênio, à frente de emergentes

Segundo o Pnud, 69,2% dos índices do programa tiveram melhora no Brasil

Brasília – O Brasil está na frente dos países emergentes no cumprimento das metas de desenvolvimento, de acordo com estudo sobre os avanços das metas do milênio, do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), ligado ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).Segundo o estudo, o Brasil teve melhora em 69,2% dos indicadores. O país ficou na frente da China, Índia, África do Sul, Turquia e Argentina. Contudo, ficou atrás da Guatemala, do Panamá, de El Salvador, da Venezuela, do Paraguai e da Nicarágua.
O estudo analisou 26 indicadores entre 1990 e 2008. Houve maior progresso em 18 deles depois de 2000, quando foram adotadas as metas de desenvolvimento e, em 25, houve alguma melhora. Apenas em um dos indicadores, o que trata da área coberta por florestas, houve piora. A área caiu de 57,94%, em 2000, para 55,74%, em 2008.
Entre os indicadores, sete apresentaram progresso, mas em ritmo menor do que no período anterior a 2000. Entre eles, estão a imunização de crianças entre 12 e 23 meses que, em 1990, alcançava 78% do público-alvo e, em 2000, passou para 99%, mantendo-se no mesmo patamar em 2008.Outro indicador que mostrou pouca melhora foi o de partos assistidos por profissionais de saúde. Em 1990, 71,9% dos partos tiveram acompanhamento de profissionais de saúde e, em 2000, esse percentual passou para 96,45%. Em 2008, chegou a 97%.
Outro indicador que teve pouca melhora depois da adoção das metas do milênio foi o de incidência de tuberculose, que, em 1990, era de 83,64% a cada 100 mil pessoas e passou para 58,41% em 2000. O índice diminuiu para 46,47% em 2008.
O estudo também verificou que houve um baixo crescimento no número de linhas telefônicas. Em 1990, eram 6,29% a cada 100 pessoas. Em 2000, passou para 21,19% e, em 2008, para 21,43%.
A pesquisa foi feita em 98 países e destacou que os países da África Sub-Saariana tiveram grandes avanços. Entre eles, está Burkina Faso, que, no ranking da região, ficou em primeiro lugar, com 91,3% dos indicadores cumpridos; seguido de Angola, da República Centro-Africana, do Senegal e da Etiópia.
Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) surgiram com a Declaração do Milênio das Nações Unidas, adotada pelos 191 estados-membros em 2000. A declaração traz uma série de compromissos a serem cumpridos até 2015. O estudo do Pnud foi divulgado na última sexta-feira (25).

Metas do Milênio - Atividade Atualidades

Entenda o que são as Metas do Milênio
Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) são uma série de oito compromissos aprovados entre líderes de 191 países membros das Nações Unidas, na maior reunião de dirigentes nacionais de todos os tempos, a Cúpula do Milênio, realizada em Nova York em setembro de 2000.
Para alcançar os ODMs, foram definidas as Metas do Milênio, que estabelecem números para dar significado aos objetivos de erradicar a fome ou diminuir a mortalidade infantil, por exemplo. O esforço coletivo deve garantir, até 2015, a redução pela metade da porcentagem de pessoas que vivem na extrema pobreza, fornecer água potável e educação a todos e combater a propagação da AIDS, malária e outras doenças. Também ficou determinado o reforço às operações de paz das Nações Unidas para que as comunidades vulneráveis possam se proteger em tempos de conflito.
A África recebeu atenção especial durante as discussões da Cúpula. Medidas foram elaboradas para enfrentar os desafios da erradicação da pobreza no continente. Entre elas, destacam-se o cancelamento da dívida externa desses países, a melhoria do acesso aos mercados, o aumento da ajuda oficial ao desenvolvimento e o aumento do fluxo de Investimentos Externos Diretos e da transferência de tecnologia.
Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio são:
1 - Erradicar a extrema pobreza e a fome
Metas do Milênio; clique na imagem Um bilhão e duzentos milhões de pessoas sobrevivem com menos do que o equivalente a $ 1 PPC* ao dia. Esse quadro já começou a mudar em 43 países, cujos povos somam 60% da população mundial. O Banco Mundial calcula anualmente um índice de preços, entre países, baseado nos custos de uma ampla cesta de bens e serviços. A partir desse valor, são divulgadas as rendas nacionais expressas em dólares com *Paridade de Poder de Compra (PPC), que determina a quantidade de bens e serviços que $ 1 PPC compra em qualquer lugar do mundo.
2 - Atingir o ensino básico universal
Metas do Milênio; clique na imagem Há 113 milhões de crianças fora da escola em todo o mundo. A Índia é um exemplo de que é possível diminuir o problema: o país se comprometeu a ter 95% das crianças freqüentando a escola já em 2005.
3 - Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres
Metas do Milênio; clique na imagem Dois terços dos analfabetos do mundo são do sexo feminino e 80% dos refugiados são mulheres e crianças. Superar as disparidades entre meninos e meninas no acesso à escolarização formal é a base para capacitá-las a ocuparem papéis cada vez mais ativos na economia e política de seus países.
4 - Reduzir a mortalidade infantil
Metas do Milênio; clique na imagem Todos os anos, 11 milhões de bebês morrem de causas diversas. No entanto, o número vem caindo desde 1980, quando as mortes somavam 15 milhões.
5 - Melhorar a saúde materna
Metas do Milênio; clique na imagem Nos países em desenvolvimento, as carências em saúde reprodutiva fazem que a cada 48 partos uma mãe morra. A presença de pessoal qualificado na hora do parto será o reflexo do desenvolvimento de sistemas integrados de saúde pública.
6 - Combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças
Metas do Milênio; clique na imagem Em grandes regiões do mundo, epidemias vêm destruindo gerações e cerceando possibilidades de desenvolvimento. Ao mesmo tempo, a experiência de países como o Brasil, Senegal, Tailândia e Uganda mostram que é possível deter a expansão do HIV. A redução da incidência dependerá fundamentalmente do acesso da população à informação, aos meios de prevenção e aos meios de tratamento, sem descuidar da criação de condições ambientais e nutritivas que estanquem os ciclos de reprodução das doenças.
7 - Garantir a sustentabilidade ambiental
Metas do Milênio; clique na imagem Um bilhão de pessoas ainda não têm acesso a água potável. Durante os anos 90, quase o mesmo número de pessoas ganharam acesso à água e ao saneamento básico. Os indicadores identificados para essa meta demonstram a adoção de atitudes sérias na esfera pública. Sem a adoção de políticas e programas ambientais, nada se conserva em grande escala, assim como, sem a posse segura de suas terras e habitações, poucos se dedicarão à conquista de condições mais limpas e sadias para seu próprio entorno.
8 - Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento
Metas do Milênio; clique na imagem Muitos países pobres gastam mais com os juros de suas dívidas do que para superar seus problemas sociais. Já se abrem perspectivas, no entanto, para a redução da dívida externa de muitos Países Pobres Muito Endividados (PPME). Os objetivos levantados para atingir essa meta levam em conta uma série de fatores estruturais que limitam o potencial para o desenvolvimento - em qualquer sentido que seja - da maioria dos países do sul do planeta. Entre os indicadores escolhidos, está a ajuda oficial para a capacitação de profissionais. Eles negociarão novas formas de acesso a mercados e a tecnologias, abrindo o sistema comercial e financeiro não apenas para grandes países e empresas, mas para a livre concorrência.
_________________________________________
Fonte: Agência Brasil , 12/9/2004

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio


Concretas e mensuráveis, os 8 Objetivos – com suas 22 metas (24 no Brasil) e 48 indicadores – podem ser acompanhadas por todos em cada país; os avanços podem ser comparados e avaliados em escalas nacional, regional e global; e os resultados podem ser cobrados pelos povos de seus representantes, sendo que ambos devem colaborar para alcançar os compromissos assumidos em 2000. Também servem de exemplo e alavanca para a elaboração de formas complementares, mais amplas e até sistêmicas, para a busca de soluções adaptadas às condições e potencialidades de cada sociedade.



Atualidades - Postagem sobre Metas do Milênio

Meta do Milénio sobre a mortalidade infantil "é alcançável até 2015" 

Bandeira de Moçambique
Bandeira de Moçambique

Maputo - As Nações Unidas garantiram hoje (quinta-feira) que Moçambique vai alcançar a Meta do Milénio sobre a mortalidade infantil até 2015, uma vez que o país já conseguiu baixar para metade a taxa de mortes de menores de cinco anos. 
 
   
Segundo a coordenadora residente da ONU em Moçambique, Jennifer Topping, Moçambique conseguiu reduzir drasticamente a taxa de mortalidade infantil de "153 mortos por mil nados vivos em 2003, para 97 mortos por mil nados - vivos em 2011". 
 
   
"Isso significa uma redução de 50 por cento desde 1997 e que a meta do Objetivo de Desenvolvimento do Milênio para taxa de mortalidade abaixo dos cinco anos de 83 mortos por mil nados vivos será alcançável até ao final de 2015", afirmou Jennifer Topping. 
 
   
A responsável falava no ato do lançamento do programa de capacitação técnica na área da Saúde em apoio às metas números 4 e 5, referentes à saúde materna infantil, definidas nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio da ONU. 
 
   
Segundo Jennifer Topping, "a taxa de mortalidade materna também tem sofrido uma redução promissora de cerca de 690 mortes por 100 mil nados vivos em 1997 para 500 por 100 mil em 2007". 
 
   
A meta do Objectivo do Desenvolvimento do Milênio para a taxa de mortalidade é de 250 por 100 mil nados vivos até 2015.  
 
   
Hoje (quinta-feira), o governo do Canadá anunciou um apoio de 20 milhões de dólares para capacitação técnica do Ministério da Saúde de Moçambique, com ajuda de quatro agências da ONU, visando o alcance das Metas do Milênio sobre saúde materna infantil. 
 
  
"O programa visa proporcionar melhores serviços de assistência a mulheres grávidas de modo a que tenham partos seguros e, por conseguinte, garantir às crianças um começo de vida saudável", disse Jennifer Topping. 
 
   
O plano, associado à agenda governamental, prevê a formação de profissionais da Saúde, a aquisição de equipamento para unidades sanitárias, visando auxiliar melhor as mulheres e seus filhos, e apoiar na planificação, supervisão e monitoria dos sistemas de saúde. 
 
  
"As ações de reforço e complementaridade incluirão a prevenção e o tratamento da malária, bem como o tratamento da má nutrição, através de melhor acesso ao pacote de nutrição básica e de campanhas para o aleitamento exclusivo", disse a representante da ONU em Moçambique. 
 
   
Mais de 80 porcento dos 20 milhões de dólares disponibilizados pelo Canadá vão ser atribuídos à Zambézia,  província com maior prevalência de subnutrição entre as crianças com menos de cinco anos e com um dos menores índices de acesso aos cuidados pré - natais (74 porcento em 2011, contra 91 porcento da média nacional). 
 
   
O alto-comissário do Canadá em Moçambique, Alain Latulippe, considerou que "o alívio da mortalidade infantil é uma notícia positiva", pelo que apelou à boa gestão da verba hoje (quinta ? feira ) disponibilizada. 
 
"O nosso Governo, tal como os governos dos parceiros, quer ver os resultados dos seus investimentos", disse Alain Latulippe. 
 
   
O ministro da Saúde de Moçambique, Alexandre Manguele, reconheceu que "os desafios são enormes", mas assegurou que o executivo moçambicano "vai continuar a trabalhar para corresponder às expectativas da população moçambicana".

Mídia o 4º poder


Infelizmente a sociedade brasileira é extremamente manipulada pelos meios de comunicação, as pessoas não pensam, não produzem suas próprias opiniões, não aceitam críticas e muitas vezes já tem opinião formada pela mídia, ou seja, estão extremamente alienadas.
Sabemos que para uma sociedade democrática crescer saudavelmente é importante, entre outros, que as pessoas tenham posições sobre os diversos assuntos e áreas de sua nação, tenha uma opinião própria e com o mínimo de senso crítico, para desta forma participar ativamente do processo político, Mas como nos livrar das opiniões prontas e das concepções hipócritas de sociedade que muitos veiculam na mídia com seu sensacionalismo idiota e suas ideologias da classe dominante? É difícil, porém não impossível, resumimos a solução em educação, o conhecimento, que livra qualquer homem de concepções incoerentes e hipócritas, torna-se fundamental um senso crítico, um pensamento crítico apurado.
O 4º Poder(Mídia) é extremamente absolutista e tem forças invisíveis, pode em questão de dias derrubar qualquer governo, qualquer um, sem precisar levantar da cadeira, parece que vivemos longe de ditaduras ou melhor achamos que elas acabaram, o que não é verdade, seja bem vindo a ditadura da mídia e a ditadura da burguesia em que ambas formam um bela parceria e um grande poder invisível. Os meios de comunicação são um espelho da sociedade. Chega desse sensacionalismo a serviço do lucro, chega desse monopólio midiático, chega dessa sociedade automática e alienada, vamos começar a construir uma nação de verdade!

Collection a Day


Este é um blog documentar um projeto que terá uma duração de exatamente um ano, a partir de 1 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2010. Em cada um desses 365 dias, vou fotografar ou desenhar (e, ocasionalmente, pintar) uma coleção. A maioria das coleções são reais e existem em minha casa. Algumas são imaginadas outras vou desenhar ou (ocasionalmente) pintar.
Desde que eu era uma menina jovem, fui obcecada tanto com a coleta, com organização, administração e exibição de minhas coleções. Esta é a minha tentativa de documentar minhas coleções, tanto o real e o imaginário.
holiday Bows
A prática de coleta e documentação de coleções é tão antiga como as montanhas. Eu quero espectadores aqui para saber que eu não digo estar fazendo nada de novo ou original ou genial. Estou embarcando neste projeto, porque eu amo minhas coleções, e eu quero documentá-las de uma maneira que faz sentido para mim.
http://collectionaday2010.blogspot.com.br/ Apesar de o blog ser Br ele é todo em inglês.Acessado dia 9/06/2012

Metas do Milenio

Erradicar a extrema pobreza e a fome
O número de pessoas em países em desenvolvimento vivendo com menos de um dólar ao dia caiu para 980 milhões em 2004, contra 1,25 bilhão em 1990. A proporção foi reduzida, mas os benefícios do crescimento econômico foram desiguais entre os países e entre regiões dentro destes países. As maiores desigualdades estão na América Latina, Caribe e África Subsaariana.

Atingir o ensino básico universal
Houve progressos no aumento do número de crianças frequentando as escolas nos países em desenvolvimento. As matrículas no ensino básico cresceram de 80% em 1991 para 88% em 2005. Mesmo assim, mais de 100 milhões de crianças em idade escolar continuam fora da escola. A maioria são meninas que vivem no sul da Ásia e na África Subsaariana.

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres
A desigualdade de gênero começa cedo e deixa as mulheres em desvantagem para o resto da vida. Nestes últimos sete anos, a participação feminina em trabalhos remunerados não-agrícolas cresceu pouco. Os maiores ganhos foram no sul e no oeste da Ásia e na Oceania.

Reduzir a mortalidade infantil
As taxas de mortalidade de bebês e crianças até cinco anos caíram em todo o mundo, mas o progresso foi desigual. Quase 11 milhões de crianças ao redor do mundo ainda morrem todos os anos antes de completar cinco anos. A maioria por doenças evitáveis ou tratáveis: doenças respiratórias, diarréia, sarampo e malária.

Melhorar a saúde materna
Complicações na gravidez ou no parto matam mais de meio milhão de mulheres por ano e cerca de 10 milhões ficam com seqüelas. Existem sinais de progresso mesmo em áreas mais críticas, com mais mulheres em idade reprodutiva ganhando acesso a cuidados pré-natais e pós-natais prestados por profissionais de saúde.

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças
Todos os dias 6,8 mil pessoas são infectadas pelo vírus HIV e 5.,7 mil morrem em conseqüência da Aids - a maioria por falta de prevenção e tratamento. O número de novas infecções vem diminuindo, mas o número de pessoas que vivem com a doença continua a aumentar junto com o aumento da população mundial e da maior expectativa de vida dos soropositivos. Houve avanços importantes e o monitoramento progrediu.

Garantir a sustentabilidade ambiental
A proporção de áreas protegidas em todo o mundo tem aumentado sistematicamente. A soma das áreas protegidas na terra e no mar já é de 20 milhões de km² (dados de 2006). A meta de reduzir em 50% o número de pessoas sem acesso à água potável deve ser cumprida, mas a de melhorar condições em favelas e bairros pobres está progredindo lentamente.
Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento
Os países pobres pagam a cada dia o equivalente a US$ 100 milhões em serviço da dívida para os países ricos. Parcerias para resolver o problema da dívida, para ampliar ajuda humanitária, tornar o comércio internacional mais justo, baratear o preço de remédios, ampliar mercado de trabalho para jovens e democratizar o uso da internet, são algumas das metas.

domingo, 8 de julho de 2012

Artes

Artista brasileiro Romero Britto terá espaço permanente em Madri

 

O artista brasileiro Romero Britto agora terá um espaço permanente em Madri, na sala Pop Gallery 11, onde será exibida com exclusividade obras do criador que funde pop, cubismo e grafite. 

O local exibirá obras de destaque de Britto junto a peças de produção comercial. "Queremos tornar esse artista conhecido na Espanha, já que é reconhecido internacionalmente, mas tem pouca presença no país", diz Paola Casha, diretora da galeria. 

De acordo com ela, a intenção da galeria é fazer com que o público seja atraído a passear pelo espaço. A Pop Gallery 11 é um espaço de troca entre artistas estrangeiros e locais, onde os visitantes podem confrontar obras e desfrutar trabalhos de criadores consagrados e emergentes. 

Além de mostrar a obra de Romero Britto, a galeria organizará exposições itinerantes do artista em diferentes cidades.Estabelecido em Miami (Estados Unidos) há 25 anos, Britto conseguiu reconhecimento internacional com suas obras geométricas e coloristas.Seu trabalho se identifica com os ícones do pop Art Andy Warhol, Roy Lichtenstein e Keith Haring e tem influências das vanguardas do cubismo histórico de Pablo Picasso, Joan Miró e Henri Matisse.

 Artista do retrato dos Reis Juan Carlos e Sofía, Britto realizou interpretações de figuras políticas, da nobreza e artistas. O brasileiro, criador da Fundação Britto, também produz murais, campanhas propagandistas para empresas, móveis e até carros.

 Além disso, o brasileiro criou o monumento The Big Apple que simboliza a cidade de Nova York no aeroporto John F. Kennedy e recriou a pirâmide de Gyza em plenário Hyde Park em Londres.Com a exibição de forma permanente da obra do artista brasileiro, Madri se soma a cidades como Cingapura, Paris, Xangai, Berlim, Londres, Mônaco, Basileia ou Roma.  

Fonte: disponível em: http://diversao.terra.com.br/arteecultura/noticias/0,,OI5792165-EI3615,00-Artista+brasileiro+Romero+Britto+tera+espaco+permanente+em+Madri.html

Data de acesso:08/07/2012

 

Atualidades - Metas do milênio

Brasil 'descumprirá meta do milênio para mortalidade materna', diz estudo

O Brasil deixará de cumprir uma das chamadas metas do milênio para a saúde pública porque o ritmo de redução na mortalidade materna foi medíocre na última década, indica um estudo publicado nesta terça-feira na Grã-Bretanha.

Embora o país tenha avançado na redução da mortalidade de mulheres por conta de complicações com o parto ou a gestação, o lento ritmo de melhora significa que o país chegaria com 25 anos de atraso às metas que deveria cumprir já em 2015.A pesquisa foi coordenada pelos professores Rafael Lozano e Christopher Murray, do Instituto de Métrica e Avaliação da Saúde (IHME, na sigla em inglês) da Universidade de Washington, Seattle, nos Estados Unidos, e publicada na revista científica britânica The Lancet.

 Os pesquisadores calcularam estimativas para o ano de 2011 levando em conta fontes de dados relevantes que haviam ficado de fora de análises anteriores, como registros de nascimento e óbito, pesquisas nacionais, censos e levantamentos feitos pelas autoridades de saúde. 

Segundo as estimativas mais recentes, mais de 65 mulheres em cada 100 mil parturientes morrem no Brasil em decorrência de problemas na gestação ou no parto. Nos últimos onze anos, quando o mundo viu uma redução anual de 3,6% nesta estatística, no Brasil o ritmo foi de apenas 0,3%.

 Um dos autores do estudo, Haidong Wang, professor-assistente de Saúde Global do IHME, disse à BBC Brasil que o combate à mortalidade materna teve bons resultados no Brasil entre 1990 e 2000. No período, a taxa caiu de 85,9 para 67 em cada 100 mil, uma redução anual de cerca de 2,5%.Entretanto, disse Wang, esse avanço foi contido na década seguinte pela epidemia de gripe H1N1 e pela alta percentagem de mulheres que fazem partos cesarianos, nos quais há maior risco de complicações que podem levar à morte.

"Quando a epidemia de gripe se espalhou, em 2009, matou muitas mulheres que, se não estivessem grávidas, teriam uma grande chance de ter sobrevivido", afirmou. "A epidemia de H1N1 foi um alerta pela necessidade de dar mais atenção tanto a doenças infecciosas, que podem afetar as mulheres durante a gravidez, como a outros fatores crônicos como obesidade."

Metas do milênio
O estudo avaliou o avanço dos países emergentes no cumprimento de duas das metas do milênio, que os países se comprometeram a cumprir até 2015.
Globalmente, a pesquisa estima que o número de mortes relacionadas ao parto caiu de 409 mil para 273 mil entre 1990 e 2011. As mortes de crianças com menos de cinco anos de idade diminuíram de 11,6 milhões para 7,2 milhões no mesmo período.Apesar do avanço, apenas nove de 137 países emergentes fizeram progressos suficientes para alcançar os objetivos nestas duas áreas: China, Egito, Irã, Líbia, Maldivas, Mongólia, Peru, Síria e Tunísia.
Como o Brasil, 124 chegarão a 2015 sem ter reduzido em 75% a mortalidade materna entre 1990 e 2015, estimam os pesquisadores.
Já o objetivo de diminuir em dois terços a mortalidade entre crianças menores de cinco anos entre 1990 e 2015 seria alcançada por 31 nações emergentes.No aspecto da mortalidade infantil, o Brasil é apontado como uma "história de sucesso".A pesquisa estimou em 1990 o Brasil tinha uma mortalidade infantil entre crianças menores de 5 anos de 53 para cada mil nascidas vivas. Dez anos depois a taxa havia caído para 31,5 e chegou neste ano a 20,9.
Em números absolutos, isso significa que a mortalidade tirou a vida de 193 mil crianças em 1990 e deve tirar a de 63 mil neste ano.
"Achamos que parte disso tem a ver com o esforço do governo de prover acesso universal à saúde. Foi depois da implementação deste princípio na Constituição de 1988 e na reforma de 1996 que registramos a taxa mais rápida de declínio nas mortes de crianças com menos de cinco anos", afirmou Wang.

Fonte: disponível em: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/09/110920_mortalidade_brasil_pu.shtml
Data de acesso:08/07/2012

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Inflação oficial desacelera para 0,08% em junho, mostra IBGE

Resultado de junho é o menor desde agosto de 2010.
Queda de preços de carro novo, após redução do IPI, pesou sobre taxa.


O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do país usada como base para as metas do governo, registrou uma forte desaceleração de 0,36% em maio para 0,08% em junho, conforme informou, nesta sexta-feira (6), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado de junho é o menor desde agosto de 2010 (0,04%). Dessa forma, o indicador no primeiro semestre ano fechou em 2,32%, após ter atingido 3,87% no mesmo período de 2011. Já em 12 meses, o IPCA acumula alta de 4,92%, a taxa mais baixa desde setembro de 2010 (4,70%). Em junho do ano anterior, a taxa havia ficado em 0,15%. Na análise regional, os maiores foram índices foram registrados no Rio de Janeiro e Belém, ambos com 0,23%. O menor índice foi o de Fortaleza, que apresentou queda de 0,26%. O que mais pesou sobre o desempenho da inflação de junho foi a variação de preços do grupo de gastos com transporte. Essa classe de despesas, usada no cálculo do IPCA, mostrou deflação de 1,18%, com destaque para o comportamento dos preços de automóveis, que caíram 5,48% em junho. "Isso ocorreu em razão do IPI reduzido desde 21 de maio", segundo observou o IBGE em nota. O preço dos carros usados também registrou queda, porém, menor, de 4,12%. Os preços dos combustíveis seguiram em queda (de -0,64% para 0,51%). Na contramão dessas reduções, ainda dentro do grupo, os preços dos transportes públicos mostraram alta: as tarifas dos ônibus urbanos subiram de 0,07% para 0,87%; as dos ônibus intermunicipais, de –0,10% para 0,97%, e as de passagens aéreas, de –10,85% para 0,76%. O grupo de gastos com habitação também teve desaceleração da alta de preços (de 0,80% para 0,28% em junho), com a maior influência partindo de energia elétrica (de 0,72% para -0,67%). Seguindo o mesmo comportamento, o avanço dos preços de roupas, outro grupo de gastos usado no cálculo do IPCA, diminuiu de 0,89% em maio para 0,39% em junho. Os preços de alimentos também desaceleraram, indo de 0,73% para 0,68% em junho. O preço do feijão, que tinha subido 9,10% em maio, caiu 1,63% em junho. O arroz também aumentou menos, passando de 2,11% para 1,01%. INPC O Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC, divulgado com o IPCA, variou 0,26% em junho, após subir 0,55%, em maio. Com isso, o primeiro semestre do ano fechou em 2,56%. Nos últimos 12 meses, o índice ficou em 4,90%.

Fonte: G1

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Integrantes da CCJ aprovam pedido de cassação de Demóstenes


Os integrantes da Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovaram por unanimidade no começo da tarde desta quarta-feira (4) o relatório do senador Pedro Taques (PDT-MT) pela legalidade do pedido de cassação do mandato do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO). A votação na CCJ foi realizada de forma aberta e nominal. Foram 22 votos favoráveis.
O pedido de cassação será encaminhado para conhecimento da Mesa Diretora do Senado. A cassação do mandato deve ser votada no plenário do Senado na sessão da próxima quarta-feira (11). No plenário, a votação dos parlamentares será realizada de forma secreta.
Para que a cassação de Demóstenes seja aprovada em plenário, são necessários os votos favoráveis de 41 dos 81 senadores.
A senadora Marta Suplicy (PT-SP), afirmou que Demóstenes tentou "enganar" o Senado. "Por todas essas mentiras, essa personalidade que mostrou ter, eu realmente acredito [...] que o senador Demóstenes não tem lugar aqui nesta Casa", concluiu Marta Suplicy.
O senador Jorge Viana (PT-AC) lembrou que o senador Demóstenes Torres foi presidente da CCJ. Segundo ele, o processo não deixa os parlamentares felizes "mas temos de cumprir esta obrigação", disse.
O senador Pedro Simon (PMDB-RS), afirmou que nunca havia passado por situação "tão constrangedora". Segundo ele, Demóstenes tinha um "duplo comportamento". "Entrar neste esquema, nesta maneira de ser, eu não consigo entender", disse. "Eu voto pelo afastamento do Demóstenes, mas voto muito machucado".
O presidente do Conselho de Ética, senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), afirmou que não tem nenhuma "alegria" com esse processo, mas possui a "tranquilidade" de saber que conduziu o processo com "espírito de justiça".
Demóstenes Torres é acusado de ter utilizado o mandato parlamentar para beneficiar os negócios do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. O contraventor foi preso em fevereiro pela Polícia Federal durante a Operação Monte Carlo.
O senador de Goiás afirma que era amigo do contraventor, mas sempre negou ter negócios ou auxiliado as ações de Carlinhos Cachoeira. O senador não compareceu à sessão da CCJ, e foi representado pelo seu advogado, Antônio Carlos de Almeida Castro.
Embora não tivesse o direito de usar a palavra, a manifestação do advogado foi permitida pelo presidente da CCJ, senador Eunício de Oliveira (PMDB-CE).
"Regimentalmente, a defesa não teria direito a defesa, mas como o senador Demóstenes Torres se encontra ausente, o advogado terá o mesmo tempo regimental de falar na comissão", disse o presidente da comissão.
Kakay falou per cerca de 10 minutos em defesa do senador. O advogado afirmou o processo contra o parlamentar é político. "E assim eu entendo que deva ser", mas, segundo ele, o voto precisa ser feito com a "consciência" dos senadores. "Ele precisa ser julgado de "forma limpa e transparente", disse.
O advogado voltou a afirmar que as investigações referentes ao senador Demóstenes Torres foram feitas com base em "provas ilegais", e afirmou aos senadores que a defesa já ingressou no Supremo Tribunal Federal pedindo a anulação das escutas.
"O julgamento do senador [Demóstenes] foi feito em cima de provas ilegais", disse.
O advogado disse ainda que se preparou diversas vezes para recorrer contra o processo no Senado junto ao Supremo Tribunal Federal, mas que não o fez a pedido do senador. "Ele não quer fugir de seus pares", afirmou. Segundo Kakay, a "vida" e a "dignidade" do senador estão "em jogo".
"Eu tenho a convicção que [a cassação] não é uma coisa definida. Estamos tratando da coisa talvez mais séria da vida de um homem. Não é só o mandato de uma pessoa que está em jogo, é a vida, é a honra. Uma pessoa que não tem apenas eleitores, dois milhões de eleitores, mas também tem família, tem filhos", disse Kakay.
Sem "vícios"
Em seu parecer, o relator Pedro Taques afirmou que não há "vícios" no relatório do senador Humberto Costa (PT-PE) que pediu a cassação do mandato de Demóstenes no Conselho de Ética do Senado. O relator concluiu pela "constitucionalidade, legalidade e juridicidade" do pedido de cassação do parlamentar.
Taques leu seu relatório por mais de uma hora aos integrantes da Comissão, que realizaram a votação de forma aberta. Em seu relatório, Taques afirmou que o senador Pedro Taques "praticou irregularidades graves no mandato". Segundo Taques, o fato de o senador já estar sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal, "não é motivo para a suspensão da investigação parlamentar".
O relator afirmou ainda que foi "correto", o procedimento do Conselho de Ética, em dar continuidade ao processo, independentemente do processo na Justiça Federal. Segundo Taques, durante todo o processo no conselho, Demóstenes teve direito a "ampla defesa", de acordo com as determinações legais.
"O representado foi devidamente atendido por advogados, teve acesso a todas as provas e foi cientificado de todos os atos processuais. A decisão do conselho foi corretamente fundamentada", disse Taques.
Para Taques, a decisão de Conselho de Ética de cassar o mandato de Demóstenes "foi devidamente motivada, não havendo máculas de índole constitucional ou violação da garantia formal na aprovação do relatório produzido pelo senador Humberto Costa."
No relatório, destacou ainda que Demóstenes foi "devidamente" assistido por advogados, teve acesso a todas as provas, assim como o direito de produzi-las, além de ter sido cientificado de todos os atos processuais.
De acordo com o relator, o processo contra o parlamentar goiano no Conselho de Ética satisfez "os requisitos da ampla defesa e do contraditório, bem como foram devidamente obedecidas as determinações legais e regimentais."
Taques afirmou também que todos os procedimentos adotados pelo Conselho de Ética foram "compatíveis". "Conclui-se pela absoluta compatibilidade dos procedimentos adotados pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar com as normas regimentais pertinentes e com os princípios do contraditório e da ampla defesa", afirmou o senador no relatório.
O parlamentar destacou que "em todos os momentos o Conselho de Ética se preocupou em interpretar as normas da forma mais favorável ao representado, nunca regando a palavra a ele ou ao seu procurador, mesmo quando os dispositivos regimentais não previam essa possibilidade de forma expressa."
Manifestações
Pouco antes da votação do pedido de cassação, os parlamentares puderam se manifestar sobre o pedido de cassação. O primeiro a falar foi o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). O partido de Randolfe foi o autor da representação contra Demóstenes por quebra de decoro parlamentar.
"A nós cabe julgar o fato. E não é confortável para o parlamento julgar um dos seus pares, e não somos uma confraria. Não nos cabe no parlamento conceber perdão. O perdão só concebe a Deus. Cabe a nós cumprir um dever que a Constituição nos impõe", disse. Segundo Randolfe, seria inviável par ao Senado manter na Casa alguém que "atuou para uma organização criminosa, por mais difícil que isto seja".
O senador Humberto Costa (PT-PE), que pediu a cassação do mandato de Demóstenes no Conselho de Ética, afirmou que não houve "cerceamento da defesa" pelo fato de o conselho não ter autorizado a realização de uma perícia nas escutas que envolvem o senador Demóstenes, como pediu a defesa.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Postagem de Artes - Aleijadinho

Aleijadinho (Antônio Francisco Lisboa) nasceu em Vila Rica no ano de 1730 (não há registros oficiais sobre esta data). Era filho de uma escrava com um mestre-de-obras português. Iniciou sua vida artística ainda na infância, observando o trabalho de seu pai que também era entalhador.
Por volta de 40 anos de idade, começa a desenvolver uma doença degenerativa nas articulações. Não se sabe exatamente qual foi a doença, mas provavelmente pode ter sido hanseníase ou alguma doença reumática. Aos poucos, foi perdendo os movimentos dos pés e mãos. Pedia a um ajudante para amarrar as ferramentas em seus punhos para poder esculpir e entalhar. Demonstra um esforço fora do comum para continuar com sua arte. Mesmo com todas as limitações, continua trabalhando na construção de igrejas e altares nas cidades de Minas Gerais. 
Na fase anterior a doença, suas obras são marcadas pelo equilíbrio, harmonia e serenidade. São desta época a Igreja São Francisco de Assis,  Igreja Nossa Senhora das Mercês e Perdões (as duas na cidade de Ouro Preto).

 Fonte: http://www.suapesquisa.com/aleijadinho/
Acessado em: 3 de julho de 2012

domingo, 1 de julho de 2012

Em busca de ‘tríplice coroa’, Espanha e Itália fazem a final da Euro em Kiev


Campeã em 2008 e 2010, Fúria está perto de atingir recorde inédito. Azzurra pode repetir história e levantar troféu após caso de escândalo no futebol


Imagine você fazer parte de uma geração que vivenciou três dos mais importantes títulos em um intervalo de apenas quatro anos. Ou então imagine você ver a sua seleção responder com o troféu cada um de seus maiores escândalos dentro do futebol. É o que vale a decisão da Eurocopa 2012 para Espanha e Itália, que entram em campo pela última vez na competição neste domingo, a partir das 15h45m (de Brasília), no Estádio Olímpico de Kiev. A TV Globo, o SporTV e o GLOBOESPORTE.COM transmitem o jogo ao vivo. O site faz pré-jogo com convidados a partir das 15h.
Os espanhóis buscam o que consideram como “tríplice coroa”, a consagração máxima no campo. Ganhar duas Euros com um Mundial no meio, como aconteceu desde 2008, seria um feito inédito. A Alemanha, campeã em 1972 e 1974, esteve muito próxima de atingir tal marca em 1976, mas esbarrou na cavadinha de Panenka em final contra a Tchecoslováquia, nos pênaltis, por 5 a 3.
preparativos da Final da Eurocopa (Foto: Victor Canedo / Globoesporte.com)Estádio Olímpico de Kiev receberá Espanha e Itália neste domingo (Foto: Victor Canedo / Globoesporte.com)
Passado de polêmicas e glórias
Os italianos, ainda que ironicamente, também têm uma “tríplice coroa” como meta. Em 1982, quando surpreendeu o Brasil no que seria a “Tragédia do Sarriá”, a seleção faturou a Copa da Espanha dois anos após o escândalo de manipulação de resultados chamado Totonero, que puniu um quarto dos times da Série A, inclusive o tradicional Milan, rebaixado. O herói e carrasco Paolo Rossi chegou a cumprir longa suspensão pelo seu papel no caso, mas teve a punição diminuída em um ano e acabou anistiado poucos meses antes do embarque.
Em 2006, na conquista do tetracampeonato mundial, a Azzurra chegou desacreditada pelo esquema de compra de árbitros na primeira divisão, o Calciopoli. O Juventus, então campeão, foi rebaixado e teve dois títulos retirados. O grupo se uniu diante das incertezas e superou a França na finalíssima.
Buffon no treino da Itália (Foto: Reuters)Buffon vê semelhanças entre a Azzurra de 2006 e a
atual: esperança no título da Euro (Foto: Reuters)
– As emoções são similares e estamos com a mesma confiança. Mas temos que ter paciência, como tivemos em 2006, para ver o que acontece em campo. Mas é, sim, possível fazer analogia entre os dois torneios – disse o goleiro e capitão Gianluigi Buffon.
A chance de se igualar em 2012 vem após a crise envolvendo a manipulação de resultados. Investigações antes do início da Euro foram suficientes para afastar o lateral Domenico Criscito do time e colocar suspeitas até sobre possível participação de Buffon em apostas ilegais.
No campo, o grande favoritismo atribuído à Fúria antes do confronto de estreia entre ambos, por exemplo, já não existe mais. O time de Vicente del Bosque conviveu com críticas durante a maior competição do continente quando, de fato, não apresentou um futebol encantador como se esperava. Enquanto isso, após o empate por 1 a 1 na abertura (veja os melhores momentos abaixo), a equipe de Cesare Prandelli ganhou corpo e chegou ao seu auge com a vitória por 2 a 0 sobre a Alemanha, na semifinal - a Espanha passou diante de Portugal somente nos pênaltis.
– A Espanha não é chata. É o mesmo time que vem ganhando tudo e que está no topo há muito tempo. É o time que concedeu menos gols. Isso é futebol moderno e eu gosto muito de vê-los jogar – argumentou Prandelli.
Vicente del Bosque no treino da Espanha (Foto: EFE)Vicente del Bosque tem enfrentado as críticas em torno do futebol da finalista Espanha (Foto: EFE)
O 2 a 2 que não veio
Um fato curioso, no entanto, foi a possibilidade de a Fúria ter jogado para eliminar a Azzurra ainda no Grupo C. Na última rodada, um empate por 2 a 2 com a Croácia tiraria os italianos de forma precoce independente do resultado contra a Irlanda. Os espanhóis venceram por 1 a 0.
– Acho que nós fizemos o nosso trabalho. Falou muito sobre especular o empate por 2 a 2 com a Croácia para deixar a Itália fora, mas como disse o treinador, em nenhum momento nos arrependemos de ir para vencer e não pensaremos nunca o contrário, aconteça o que acontecer na final – afirmou o meio-campista Xavi. Raciocínio semelhante teve Buffon.
– Eu sabia que eles iriam se dedicar. É uma excelente equipe e honrada. Só tenho a dizer que eles têm todo o meu reconhecimento, assim como a Holanda teve em 2008 – contou o goleiro, referindo-se ao fato de a Laranja ter entrado com o time titular contra a Romênia, mesmo já classificada, na última rodada da fase de grupos da Euro 2008. O time venceu por 2 a 0 e ajudou a Azzurra a passar de fase.
Ao menos até segunda ordem, as escalações não deverão surpreender. A Itália irá com uma linha de quatro na defesa, com Chiellini na lateral esquerda e Balzaretti na direita. Destaques como Pirlo, Cassano e Balotelli estão confirmados. A Espanha, por sua vez, ainda vive a interrogação sobre a presença de um centroavante. A expectativa é que Negredo, que não teve boa atuação na semifinal, dê dar lugar a Cesc Fàbregas, com Torres novamente no banco.
– Vamos jogar com três atacantes, quase certo. Com três homens avançados, com a obrigação de atacar mais que defender, ainda que todo o time tenha as mesmas missões. Teremos pessoas com possibilidades de fazer gol – assegurou Del Bosque.
ESPANHA X ITÁLIA
Casillas, Arbeloa, Piqué, Sergio Ramos e Alba; Busquets, Xabi Alonso e Xavi; David Silva, Fàbregas e Iniesta.Buffon, Balzaretti, Barzagli, Bonucci e Chiellini; Pirlo, Marchisio, De Rossi e Montolivo; Cassano e Balotelli.
Técnico: Vicente del Bosque.Técnico: Cesare Prandelli.
Estádio: Olímpico de Kiev (Ucrânia). Data: 01/07/2012. Árbitro: Pedro Proença (Portugal).
Transmissão: a TV Globo, o GLOBOESPORTE.COM e o SporTV exibem ao vivo a partir das 15h45m (de Brasília).